Autor: José Leite de Vasconcelos
miércoles, 02 de mayo de 2007
Sección: Tradiciones y Fiestas
Información publicada por: bracarense
Mostrado 11.992 veces.


Ir a los comentarios

As Maias

-

Costumes Populares Portugueses

(...)As Maias propriamente ditas constam de duas partes: o enramalhamento das portas, e o Maio-moço. Tratemo-las em separado. 1 - No primeiro de Maio, no Douro, Beira-Alta, Minho, etc., enfeitam-se as portas das casas com ramos de giestas amarelas, chamadas Maias (...). 2 - As Maias celebram-se assim, no 1º de Maio, ao pé de Viseu: vestem-se muito asseadas várias crianças, à imitação de anjos, com coroas de rosas do campo na cabeça, asas de giesta, as quais crianças vão de casa em casa a cantar: Vêde-lo Maio, Maio anão; Vêde-lo Maio Pelo rêgo do pão. Aprontai, pastores, Os ramos e flores, Que a cruz de Maio Nos chama já. Florindinha Que bela está! (...) Em Alavações-do-Corgo (Trás-os-Mosntes) anda pelas ruas um rapaz vestido de giestas floridas, formando as da cabeça uma pirâmide. Cercam-no outros rapazes e raparigas, cantando e dançando com o sentido de que lhes dêem alguma coisa (...). Noutras partes, o costume modifica-se, por exemplo, no Algarve. Em quase todas as casas é costume arranjar-se uma grande boneca de palha de centeio, farelos e trapos, que depois vestem de branco e cercam de flores. Chamam-lhe a Maia. A boneca é colocada sempre no meio da casa e de modo a que seja vista por todas as pessoas que passam na rua. Vem a noite, e começam os bailes em redor do mono, cantando as raparigas uma infinidade de cantigas (...). Em Lagos era costume festejar o 1ª de Maio com uma procissão em que ia um rapaz a cavalo e ornado de muitas flores e jóias emprestadas; diz-se que um Maio fugiu uma vez. – Esta tradição é comum a outras terras, onde se tem como ofensa perguntar se já voltou o Maio. Em Beja, a Maia é uma criança vestida de branco, que está toda a tarde sentada numa cadeirinha, enquanto à volta outras crianças tocam adufes e cantam. (...)As Maias ainda se usam em Portugal nos Domingos e dias santos no mês de Maio, pondo-se em algumas ruas umas mesas, cobertas com alcatifas ou outros panos, onde se assenta em cada uma delas uma menina ou moça, bem vestida, e adornada com flores, que pede dinheiro à pessoas que passam (...). (...)Encontraram-se uma vez dois namorados, na manhã do primeiro de Maio: ele ia para a lavoura com a sua grade às costas, ela vinha da fonte. Pegaram de conversar, e em tão boa hora, que, quando despegaram, era já noite. Ele então, aludindo a que o amor, por mais tempo que dure, parece um momento, cantou esta cantiga, que o povo ainda hoje repete em muitas partes (Minho, Beira-Alta) juntamente com o conto: Dia de Maio, Dia de má ventura Inda agora era manhã, Já é noite escura. A cantiga e o conto são tanto mais dignos de nota, quanto é certo que no dia da festa romana chamada Florialia, que parece ter alguma analogia com as nossas Maias, havia corridas de pessoas ornadas de rosas, para, com a rapidez delas, simbolizarem o valor efémero dos encantos da vida.

-

Más informacióen en: http://www.instituto-camoes.pt/cvc/bdc/etnologia/opusculos/vol05/opusculos05_508_515.pdf


No hay imágenes relacionadas.

Comentarios

Tijera Pulsa este icono si opinas que la información está fuera de lugar, no tiene rigor o es de nulo interés.
Tu único clic no la borarrá, pero contribuirá a que la sabiduría del grupo pueda funcionar correctamente.


  1. #1 Onega 02 de mayo de 2007

    Canto de maio: o retrato da dama Tu testa madama es campo de guerra donde Jesucristo plantó su bandera tus ojos madama parecen luceros que alumbran de noche a los pasajeros tu narís madama es muy afilado que la propia espada traigho acomparado tu boca madama tiene dos hileras una es de dientes otra es de muelas tu gharghanta dama es muy buena y bella que la aghua turbia se clarea en ella tus brazos madama son dos fuertes remos para nós remare cuando embarcaremos tus pechos madama son dos fuentes claras yo bibiera nellos si tu me dejaras tu cintura dama yo me estoy temblando que si te rompiera cuando vas andando tu barrigha dama es muy estrechita que nella se forma una margarita eso que tu tapas con el delantal tienes dos colunas palacio real tus rodillas dama son de oro masiso donde Jesucristo his' el ejercicio zapatito bajo media colorada mira como campa la señora dama variante: tu boca madama tiene dos hileras una es de ioro otra es de PIEDRAs tu ghargahata dama es muy clara y bella que la aghua turbia nella se clarea Recogido por Antón Santamarina y Dorothé Schubarth en Santiago de Compostela

  2. Hay 1 comentarios.
    1

Si te registras como usuario, podrás añadir comentarios a este artículo.

Volver arriba