Autor: alevin
jueves, 28 de septiembre de 2006
Sección: Historia
Información publicada por: alevin


Mostrado 110.405 veces.


Ir a los comentarios

El Iberismo, ¿un desencuentro historico?

-

Dedicado al Druida Balsense, portugués, que me inspiró la idea. En una encuesta reciente realizada por el diario portugés "O Sol"intentaba mostrar que la mayoría de los portugueses no deseaban la unificación con España, en cambio tambien surgía el dato de que un 96%reconocía que esta unión sería beneficiosa para Portugal. Ver Foro en :http://www.celtiberia.net/articulo.asp?id=2240 En mi opinión esta actitud no es mas que el reflejo de la desconfianza con que ambas naciones se han mirado a lo largo de la História, mayormente desde el lado portugués, siempre receloso de las intenciones de su vecino español, lo que incluso le ha llevado a buscar sus alianzas tradicionales en un país tan lejano como Gran Bretaña, pero con buena marina, ya que por tierra la única opción que tenía era España, de la que siempre desconfió. Todo empezó en 1128 cuando el primer rey portugués, Alfonso Enriquez, lograba el reconocimiento de su independencia por parte del rey de León, Alfonso VII, en circustancias un tanto forzadas. Pero a lo largo de la Historia se presentaron dos momentos importantes en los que los dos países podrían haber unificado su andadura.Uno de ellos si se hubiese efectuado el matrimonio entre Alfonso V"El Africano" y la infanta Isabel(futura Isabel I La Católica), rechazado por esta última en favor de Fernando de Aragon(¿Le atraia más la juventud del aragones que la madurez del ya viudo rey portugués?), con lo que la consecuencia inmediata fué el que Castilla se vió asociada a los conflictos de Aragon en el Mediterraeo e Italia en lugar de a la política expansionista oceanica de Portugal.y una pregunta se me viene a la cabeza, ¿que habría pasado con Colón?. El otro momento culminante fué cuando, tras la muerte del rey Sebastian en la batalla de Alcazalquivir, las cortes portuguesas , en 1581, reconocen como rey a Felipe II, reino heredado por su hijo Felipe III y por su nieto Felipe IV bajo el que Portugal vuelve a alcanzar la independencia tras la batalla de Villaviciosa, en 1665. A partir de entonces la relación de los dos países continua dandose la espalda o incluso con franca agresividad, aún cuando les debería de haber unído el haber tenído un enemigo común en Napoleón. Pero es , durante el periodo revolucionario francés, cuando un abate español apellidado Marchena publica su obra "Avis aux espagnols", donde predica la creación de un proyecto de república federal ibérica a traves de una federación progresista. Esta primera semilla germina en el incipiente liberalismo de ambos países, preconizando la unión voluntaria y pacífica de los estados ibéricos. Había nacído el Iberísmo. La hermana de Fernando VII, Carlota Joaquina, regente consorte en Portugal, aprovechó el "secuestro" de este en Francia ,durante la Guerra de la Independencia, para solicitar de la Cortes de Cádiz que la hiciesen regente de España, con lo que ambos países hubiesen tenido una máxima autoridad común, pero la petición le fué denegada. La actitud absolutista tanto de Joâo V como de Fernando VII abortan las primeras intenciones iberistas, aunque se nota tanto su pervivencia durante el trienio liberal ,en las sociedades secretas tan de moda en la época,que incluso predicaron sus ideas en territorio luso insistiendo en una Federación de Repúblicas en los que Portugal quedaría representado por una Lusitania Ulterior y una Lusitania Citerior. Pero fueron, sobre todo, los liberales en el exilio los que más contribuyeron a la expansión de las ideas Iberísticas, principalmente cuando comienza la desintegración de los imperios de ambas naciones, y que solo ven un horizonte prometedor en la unión de ambos países para retornar a la relevancia internacional perdidas y a un nuevo progreso económico.Ya Espoz y Mina barajó la posiblidad, desarrollada en decadas posteriores, de entronizar a los Braganza portugueses ,en detrimento de nuestros Borbones, por considerarlos más liberales. Tambien por entonces Pedro IV, emperador del Brasil, recibió la oferta de los liberales ibéricos de ceñir la triple corona luso-brasileño-española, aunque la oferta no llegó a nada.Entre los iberístas de esta época destacaron los protugueses Saldanha, Almeida Garret o Palmela y entre los españoles Torrijos,Borrego y Mendizabal. Ya hemos dicho que Fernando VII siempre estuvo en contra de estos proyectos, pero fué su hija, Isabel II, la que principalmente debió hacerles frente con éxito, mientras duraron los conflictos , por cierto paralelos en ambos países, entre absolutistas y liberales en el fondo o entre tíos y sobrinas en la forma. Consolidadas Maria II e Isabel II en sus respectivos reinos, con un liberalismo tambien floreciente, pronto reaparecen los proyectos iberistas que proyectaran la unión, por vía matrimonial, de ambas dinastías, proyectos que no fructificaron por problemas de edades e intrigas palaciegas.Además ni Francia ni Gran Bretaña veían estos proyectos con buenos ojos, pues preveian , en la unión de los dos países, el nacimiento de una potencia rival que les quitaria influencia en el panorama europeo. Bloqueada la solución dinástica, surgió, en España, una ocasión favorable para sustituir la dinastía borbónica por la de Braganza, aprovechando la Revolución de 1854. Con apoyo progresista , moderado(Cánovas del Castillo)y demócrata(Cristino Martos)se hicieron contactos con el gobierno portugués, que no se mostró hostil a la idea, pero que no hizo nada para desarrollarla.La actitud indecisa de los revolucioarios, la oposición francesa y británica así como la actitud conciliadora de Isabel II, favorecieron el fracaso de estos planes. Estos hechos tuvieron como consecuencia que el iberísmo portugés quedra relegado a grupos minoritarios de republicanos. No asi en España en la que la doctrina iberísta hizo grandes avances que fueron detenidos por el gobierno moderado que temía perder, con una Iberia unída, el poder totalitario del que ya gozaba. Cuando estalla la Revolución de 1868 no había unanimidad sobre que régimen ni que dinastía , en caso de la monarquía, debía gobernar España. Los progresistas volvieron a su idea primigenia de entronizar a los Braganza, pero no con Luis I, ya reinante en Portugal, sino ofreciendo el trono a su padre, Fernando de Coburgo, que vivía apartado de la vida política.Los iberistas españoles deseaban que su reinado fuese una etapa transitoria para acabar con los recelos lusitanos hacia la unión y que ,a su muerte, fuese ya Luis I el que culminase la unidad peninsular. Esta candidatura fué, quizás, la que contó con más grandes apoyos, incluyendo el de Prim, que en su defecto pensó, posteriormente, en otros familiares de Luis I, Leopoldeo de Hohenzollern y Amadeo de Saboya. Se desplazaron a visitar a D.Fernando el general Prim,Fernandez de los Rios y Salustiano Olózaga.Las conversaciones trataron de llevarse con la máxima discrección, aunque con poco éxito.Se barajaron diferentes soluciones, como la de crear una monarquía típo Austria-Hungría, recientemente establecida y se aceptaron todas las condiciones que puso D.Fernando, incluso la de que solo se llevaría a cabo esta unión si el pueblo portugués lo aceptaba mayoritaria y voluntariamente, pero surgió un impedimento insoslayable cuando D. Fernando expresó le deseo de que las dos coronas no se convirtiesen en una, con lo que la candidatura perdía su atráctivo principal para los iberístas. No obstante, en el golpe de estado que ,en el Portugal de 1870, dá el iberísta Saldanha(en posible connivencia con Luis I que no vería con malos ojos una futura corona hispano-lusa)el própio Saldanha trata de convencer a D.Fernando de que acepte la corona española por el bien de Portugal ,para evitar que una posible república en el país vecino pueda socavar la monarquía portugesa, pero todos sus esfuerzos fueron inútiles. Tras el fracaso de estas gestiones, el iberísmo cae en una nueva y profunda crisis, acrecentada por la nueva influencia que Portugal estaba consiguiendo en Africa, gracias a la ayuda inglésa y a la subída al trono de Alfonso XIII, de modo que los grupúsculos repúblicanos vuelven a ser los únicos guardianes de la iedea, a pesar de que las humillaciones que Gran Bretaña impuso a Portugal, en pago por su ayuda,hicieron que muchos lusitanos valoraran una nueva alianza con España, siendo baluarte de esta intención el escritor portugés Joaquim Pedro de Oliveira, autor de "Historia de la Civilización Iberica", donde trata de unificar la península a través de la unídad cultural. La nueva coyuntura que revitalizrá el iberísmo fué la caída de la monarquía portuguesa, octubre de 1910, que provocó entusiastas manifestaciones repúblicanas en España y la aparición de varios escritos sobre el tema, como las del periodista repúblicano José Brissa("La Revolución Portuguesa"), pero el máximo exponente del Iberísmo en España, era el poeta Joan Maragall, que preconizaba la integración de Portugal en España para contarrestar el centralismo castellano y en esa inteligencia escribió obras como el "Imne Ibérico" e incluso, en su artículo ""L´Ideal Ibéric", propuso a Unamúno la creación de la revista "Ibérica", que iría escrita en castellano, catalán,galaíco-portugés y vasco. Tambien Cambó y Prat de la Riba, en sus años juveniles compartieron este ideal. En 1927 fué fundada, en Valencia, la Federación Anarquista Ibérica, en cuya dirección hubo simpre algún representante luso, y que representó al Iberísmo de la extrema izquierda hasta 1936. Tras la Guerra Civil española, se creó el llamado "Pacto Ibérico", entre Franco y Salazar, por el que ambos países se proporcionarían asistencia mútua(no olvidemos la ayuda logística y en hombres proporcionada por el gobierno portugés a Franco durante la contienda)pero más con fin de autocontrol que de reunificación. La izquierda española en el exílio, siempre mantuvo la tradicción iberísta de algúna manera y así Victoria Kent publicó, en Nueva York, durante muchos años, el boletín "Iberica por la Libertad". Otro iberísta fué el esritor J.M.Bautísta Roca, que participó en numerosos encuentros culturales con iberístas portugueses. En la actualidad el panorama para un pannacionalísmo ibérico es desalentador, pues ya ni las izquierdas de ambos países parece que se lo plantean,aunque escritores como Salvador de Madariaga, en su obra "España",aún se lo planteaba siempre que fuera universalmente aceptado por ambos pueblos. Por ello la idea del Iberísmo ha quedado reducida a una utopía. ¿Se acerca el momento de rehabilitarla? Bibliografía: "La Unión Iberica.Debáte sobre la idea de nación en S.XIX"-Jose A.Rocamora ""El Iberísmo"-J.P.Yañiz Paz y Bien

-


No hay imágenes relacionadas.

Comentarios

Tijera Pulsa este icono si opinas que la información está fuera de lugar, no tiene rigor o es de nulo interés.
Tu único clic no la borarrá, pero contribuirá a que la sabiduría del grupo pueda funcionar correctamente.


  1. #1 Ramonmo 04 de oct. 2006

    Vale, Kaerkes. Pero no te equivoques conmigo. Si fuera beneficioso para ambos, me daría igual que España se uniera a Portugal, con Portugal o debajo de Portugal, y que la resultante se llaMara España, Portugal, Iberia o SPN, y que la capital estuviera en Lisboa, Madrid, Badajoz, las Azores o Helsinki.

  2. #2 Reuveannabaraecus 05 de oct. 2006

    Amigo Lusitanoi: no te pongas tan exaltadamente nacionalista, que luego estas discusiones acaban como acaban y, al fin y al cabo, tú estás por aquí en franca minoría... Aljubarrota fue un episodio en el que los portugueses, como hubiera hecho cualquier otro pueblo invadido, lucharon hasta la victoria para frenar los afanes expansionistas de la dinastía de TrastáMara y en concreto del monarca Juan I (por cierto, de memoria nada grata en España), que se creyó con derecho a incorporar Portugal a sus dominios. Aljubarrota fue una derrota buscada -y hasta merecida- del Reino de Castilla y León -no del de España, que como tal no existía todavía, aunque aquél sea su antecedente más inmediato-. No saquéis tanto pecho, que parecéis el Galo de Barcelos "eheheheh". Cumprimentos.

  3. #3 por são jorge 07 de oct. 2006

    De aqui a mil años los que miren el mapa de la peninsula iberica, veran que Portugal estara donde esta ahora, con sus mismas fronteras. No se si para bien o para mal, lo mismo no se podra decir de Espanha. Quanto a los portugeses que dicen que se quieren unir a Espanha, les aconsejo que no pierdan el tiempo y vengan todos para España imediatamente. Aqui en la sanidad publica, mas concretamente, en Barcelona, podran pasar por la Maravillosa experiencia que a mi me toco pasar, que fui con mi mujer que estava de parto, y nos encontranos con un equipo medico que no estaba ni a la altura de atender un parto de cerdos en mi pueblo de Portugal. Depues, procuren colegio publico para sus hijos con un minimo de calidad y veran con lo que se van a encontrar. Quando sean viejos? No se preocupen, siempre pueden ir a caritas a comer si la jublacion no llega. Los portugueses no nos sentimos inferiores, lo que si somos es mas educados. Ya vos gustaria mandar no "cantinho daqui al lado", pero vos falta lo que a nosotros nos sobra, asi lo demostrasteis siempre a lo largo de la historia. Bueno menos una vez que vos vendisteis a los franceses. Boa sorte.

  4. #4 10 de oct. 2006

    Fue el inglés el Imperio perfecto? Tal vez por ser el último aplicó con frialdad matemática ("Creé Jordania una tarde después de tomar el té", dijo más o menos Churchill) la máxima romana, aunque supongo que vendrá desde Asiria (y, en realidad, es puro instinto ya que funciona hasta en las mejores y más pequenhas familias), del: "Divide y vencerás". Inglaterra se llevó de puta madre con vascos -dicen que los "sabinoaranistas" copiaron la Unión Jack en la ikurrinha. Para Inglaterra hubiera sido cojonudo una Euskalherria independiente...aunque por el camino hubiera perdido a Escocia-, portugueses, crearon Gibraltar, ocuparon Baleares y en América primaron a Brasil frente a Paraguay y a Chile frente a Argentina -los aviones ingleses durante la guerra de Las Malvinas despegaban de Chile y la Thatcher regaló un plato conmeMarativo de la ARMADA INVENCIBLE a Pinochet tras su victoria sobre Garzón...eso se llama cinturón defensivo.

  5. #5 Irluachair 13 de oct. 2006

    Realmente es curioso cómo se conforman los sentimientos de superioridad, pero existen. Uno puede habitar en el barrio más deprimido de Madrid, y sin embargo sentirse superior a los portugueses, o a los andaluces, aunque la mayoría de los portugueses o andaluces vivan materialmente mejor que el. El sentimiento de superioridad es completamente subjetivo, y falso. En Portugal se puede encontrar todo lo que hay en España, lo bueno y lo malo, y a lo largo de ambas geografías, veremos de todo...lo mejor y lo peor. Lo que está claro es que la portuguesa es una cultura Maravillosa, que tiene una riqueza única y diferente, con manifestaciones que no tienen que envidiar nada a España, o la superan...en todo caso diferente y genuina. Lo de la superioridad es una tontería, pero realmente sabemos que existe este sentimiento en los españoles...como existe dentro de España el sentimiento de superioridad, e incluso de menosprecio entre comunidades, y la más afectada Andalucía. Lo mismo que existe en general entre los españoles el sentimiento de inferiroridad respecto a Francia, o Inglaterra. El sentimiento de inferioridad normalmente se muestra en esa expresión típica: "en España se vive como en ningún sitio"...que trata de ser algo psicológicamente compensatorio por el sentimiento de inferioridad en casi todo repecto a Europa.

  6. #6 adriano 18 de oct. 2006

    Siempre me han molestado los comentarios contra los portugueses, los prejuicios, propios de gente ignorante. Hay que reconocer que los españoles y los ingleses llevamos el imperialismo en la sangre. ¿Es bueno? ¿es malo? ¿es regular? Pero una cosa es eso y otra cosa faltar al respeto a los demás. Admito los comentarios de los sucios bares españoles, ya que están a la vista, y no hablemos de los aseos. Puaj! Pero bueno, peor es el humo. Y por lo demás, ensuciamos los bares y la calle (donde lo pasamos de Maravilla), pero la casa la tenemos como un jaspe. Que conste. En cuanto a lo de Francia, hace tres años cenaba con unos empresarios franceses, clientes y en Francia, y decían que "España se acercaba ya bastante a Francia". Sin duda, cuando un francés, lo que se dice un francés con todas las letras, dice eso, lo que realmente significa es "España nos está pasando por encima". Esa era la sensación. Y en cuanto a suciedad, siguen siendo un pelín reacios a ducharse. Pero bueno, es un prejucio más. Realmente los prejuicios, si son de buen rollo y con sentido del humor, tampoco hay que tomárselo a pecho. Y por otro lado, amigos portugueses, ¿qué región española se salve de prejuicios dentro de la propia España? Ninguna.

  7. #7 Lusitanoi 18 de oct. 2006

    Até que enfim que rebentou a bomba por cá. Ninguem ligou importancia nenhuma a sondagem do sol, mas a sondagem do Tiempo ta a dar que falar, vou-vos transcrever a noticia do jornal "O Publico", vai ser extensa, mas agradeço que vejam os comentarios dos leitores para ter uma ideia do que por aqui vai: http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1273741&idCanal=90 Como se depreende bem dos factos relatados na notí... Por Filipe Paccetti Correia - Porto Como se depreende bem dos factos relatados na notícia, metade dos espanhois são favoráveis à absorção de Portugal pela Espanha. Não se trataria de uma "união", como a que existiu após o descalabro de Alcáçer-Quibir, mas sim de uma diluição de Portugal na Espanha. De um dia para o outro seriamos espanhois e não ibéricos; seriamos subditos d'el-rei Juan Carlos, quando hoje não o queremos ser dos Braganças; e ao que parece as nossas tabuletas teriam de ser traduzidas para o castelhano, porque provavelmente deixaríamos de conseguir ler o português... Para quem deste lado da fronteira pensava que o desejo castelhano de hegemonia estava bem morto e melhor enterrado deve ser uma desilusão reconhecê-lo vivinho da costa entre as novas gerações! Mesmo quando agora a "coisa" já não se chama Castela mas sim Espanha. O povo portugues já pouco tem de nacionalista de q... Por Ana - Num país à beira mar plantado O povo portugues já pouco tem de nacionalista de qualquer forma... Infelizmente, em vez de querer olhar para si mesmo tende sempre a olhar para os outros. Penso que todos deviamos reflectir seriamente neste assunto. O nosso país tem coisas más, mas boas também! Porquê tanta tendência para remediar em vez de enfrentar de frente os problemas? Onde está o nosso orgulho português? Infelizmente só sinto/vejo este orgulho português quando alguém é corrupto ou se descobre algum escândalo... Sem dúvida que se continuarmos a ser mediocres não vamos a lado nenhum e mais vale um outro qualquer país tomar conta de nós... De que estão à espera? Por mim era hoje e sem hesi... Por artur santos - Porto De que estão à espera? Por mim era hoje e sem hesitações. Eu também sou favorável à integraçãi ibérica com u... Por Sousa da Ponte - Faro, Eu também sou favorável à integraçãi ibérica com uma condição: durante 60 anos os portugueses ficarem impedidos de exercer qualquer cargo governativo. I isto inclue ser deputado, ministro, secretário ou sub secretário de estado, governador de região autonoma (ou lá o que seja) presidente de caMara ou vereado, presidente de junta de freguesia ou de clube de futebol. Brincam com a minha nacionalidade! Vou-me vingar s... Por you - Lisboa Brincam com a minha nacionalidade! Vou-me vingar seus filhos da puta. Para já vou enviar um cheque a ETA e vou contactar os meus amigos independentistas catalãs. Está na hora de formar a resistência lusitana e começar a caça as bruxas dentro de Portugal. Quem não gostar ou demonstre não gostar de ser português tem duas alternativas: ir embora ou ser morto. Estou mesmo a ver ataques a bomba, tiroteios e terrorismo em Portugal, tal como no Iraque. Capital federal : Madrid. Linguas de trabalho inst... Por anonymous - lisboa Capital federal : Madrid. Linguas de trabalho instituições federais: Espanhol e Português. Capital cultural e desportiva: Lisboa . Mudança do Foro Mundial de Anti-Globalização de Porto Alegre para o Teatro Rivoli (Porto) porque motivo esta questão está a ser badalada rec... Por Evélio Amorim - Póvoa do Conde - Abitureiras porque motivo esta questão está a ser badalada recentemente? As dificuldades económicas, sociais, politicas, que o país está a viver, têm, sobretudo, que estar relacionadas com a capacidade, maior ou menor, que o povo português possa ter para compreender a importância da sua participação cívica e a necessidade de estar preparado o melhor possível para essa participação. As actuais dificuldades não devem ser usadas por todos aqueles que sendo subservientes, julgam poder ajudar-se, ajudando Castela a mandar nas nossas terras. As novas formas de poder económico devem-nos fazer pensar como devemos usar os novos conceitos de soberania para que as nações sejam autónomas num mundo diferenciado. Portugal para os Portugueses, Espanha para os Espa... Por Nelson Silva - Amsterdam/NL Portugal para os Portugueses, Espanha para os Espanhois. 28 por cento dos Portugueses a favor??? DUVIDO! Ridículo! O Sol deveria ser obrigado a abrir uma ... Por António Português Europeu Universal - Lisboa Ridículo! O Sol deveria ser obrigado a abrir uma sondagem paralela indagando sobre a União Federal Luso-Britânica... e já agora, Luso-Marroquina, etc. Seriam interessantes as respostas dos vários lados da fronteira... :) Mas verifica-se que depois de tantos séculos de etnicídio aos restantes povos peninsulares, a (des)educação ideológica primária culturalmente colonizadora continua igual... Quanto a mim, no dia em que tal uniãozeca se realizasse, passando Portugal a votar em Bruxelas via Madrid, requeiro imediatamente a nacionalidade britânica. :) E a propósito, quando é que os bascos, catalães e galegos podem passar a viver e a estudar na sua própria língua, passando o castelhano a segunda? E quando é que os castelhanos passarão a ficar obrigados por lei, como aqueles povos, a saber, dominar, trabalhar e utilizar sempre preferencialmente o basco, o catalão e o galego nas comunidades autónomas castelhanas? :) Finalmente, o Tiempo devia ser obrigado, ao abrigo do direito de resposta, a efectuar e publicar nova sondagem rigorosamente igual com os seus restantes vizinhos, Marrocos e França... seria interessante verificar aonde é que os castelhanos colocariam a capital? Em Andorra-a-Velha? Em Gibraltar? Em Ceuta? Ou em Paris? Senhores castelhanos, as nações não são realidades económicas, nem espaços contíguos... são famílias culturais unidas pela memória. A vossa é apenas a castelhano-falante, deixem em paz os vossos vizinhos internos, tão massacrados, e externos... a salvo da vossa arrogância ignorante. Portugal nada tem a ver com a Monarquia Espanhola.... Por José Pedro Machado - Lisboa Portugal nada tem a ver com a monarquia espanhola. Aliás, a língua portuguesa, que é das mais faladas do mundo, está mais próxima da língua galega do que da língua castelhana, denominada espanhola. A espanha não é um estado-nação : é um estado com muitas nações culturais : galiza, castela, andaluzia, catalunha, etc... Enquanto que portugal é um estado-nação, sem grandes divergências culturais em todo o território...Seria uma catástrofe se portugal se integrasse na espanha, porque esta integraçâo està perpectivada numa óptica de hegemonia espanhola. Porque nâo chamar, ao novo país, portugal em vez de espanha?... Que pensariam os países de língua oficial portuguesa de portugal passar a ser um território de espanha?... aliás, os portugueses nâo querem ser espanhóis...Por isso, é que houve a restauraçâo da independência em 1640...Os portugueses sâo portugueses e europeus e expandiram-se para os outros continentes do mundo, sempre em combate com os espanhóis....

  8. #8 Lusitanoi 18 de oct. 2006

    Em seguimento ao entusiasmo dos espanhóis sobre a ... Por Iolanda Salas - Matosinhos Em seguimento ao entusiasmo dos espanhóis sobre a dita "União Ibérica" aconselho a todos os portugueses para lerem a carta "Carta a un portugués desconocido" publicada no "El Pais" no passado dia 4 deste mês onde Rafael Sánchez Ferlosio numa brilhante interpretação da palavra "unidade" que para ele significa "la unidad los junta y mantiene juntos como cosas" e termina perguntando aos portugueses senão será melhor escolhermos a via da "concordia"porque o conceito de "unidad" nas suas diversas más formas não é mais do que guerra e dominação enquanto que "concordia" nos conduz à "cohesión social ".Por isso ele se fosse português nunca apoiaria uma "unión política y territorial con Espanã". Que parvoíce vem a ser esta?... Por Anónimo, Dinamarca Que parvoíce vem a ser esta? Vamos a isso. Voto no nome Espanha ! Por Anónimo, Coimbra E eu que pensava que eles não nos queriam? Será que assim o Major desaparece? E o Economista seu comparsa? Será que o mérito passa a ter valor? A Espanha não existe. O que existem são diferentes... Por carlos saraiva - Coimbra A Espanha não existe. O que existem são diferentes nações "unidas" politicamente há 500 anos. Portugal tem uma das mais antigas fronteiras estáveis do Mundo. Se a questão é colocada nestes termos porque não vão perguntar aos galegos se querem ser portugueses. As afinidades são bem maiores do que com Castela. Quanto ao "futuro" Estado "fusional" se chamar Espanha...é melhor nem comentar (os espanhóis sempre foram gabarolas e com um eu sempre inchado...) E a capital em Madrid?! O Rei Filipe II (deles) e I (nosso) dizia que em Lisboa é que estava bem. Deixem-se de conversa da treta, vamos mas é trabalhar e acabar com a lamúria de que somos uns coitadinhos! Isso é o que eles querem ouvir, para nos "virem salvar" e desta vez...sem que hala Aljubarrota! E não se esqueçam que 200 em 200 anos querem é chatear-nos. Vejam lá os séculos e confirmem que tenho razão. sou portugues e faço parte dos portugueses que gos... Por bernardo - lisboa sou portugues e faço parte dos portugueses que gostariam de uma união igualitária!!!! vejam apenas em niveis económicos, impostos, preços, ordenado minimo e médio.... ainda pensam que nos tempos de hoje importa realmente ser-se independente? estamos todos dependentes de Bruxelas, se Bruxelas mandar o presidente da Republica limpar as botas, o presidente vai limpar... o Estado Portugues é uma gargalhada geral, temos um pais mais pequeno que Espanha e temos mais deputados!!!!! viva el-rey Juan Carlos, viva Hernando, el Hermoso y Isabel, la Catolica (para quem entender de história vai perceber o porquê destes dois reis)... e que se fizer a união que o novo país que o país se chame Iberia... o conceito de Espanha também é recente com a unificação de diversos reinos, menciono-os aqui: Castela Leão, Navarra, Aragão e Nazari de Granada (este último tomado à força, pois era mouro).... falta a anexação de Portugal para ficar completo!!!! A aldeia é muito bonita, rica em história e tradiç... Por Fernando - Almada A aldeia é muito bonita, rica em história e tradições. Mas é portuguesa e merecia que lhe escrevessem o nome correctamente - Rio de Onor e não Rionor. Quanto à aldeia espanhola chama-se Rihonor de Castilla e não Rihinor de Castilla. É tempo dos jornalistas começarem a ter mais cuidado! Antes de escrever o último parágrafo podiam por exemplo ter consultado um bom trabalho de reportagem, como o que está em http://www.nationalgeographic.pt/revista/1001/feature1/default.asp Estou convicto que a percentagem de espanhois que ... Por Pedro Santos - Porto Estou convicto que a percentagem de espanhois que se disse favorável à união, está a pensa na anexacão.É um facto histórico que a Espanha sempre digeriu mal o facto de Portugal ser um país independente! .....e calro que as tabuletas teriam de ser mudadas para Castellano...ridiculo! Apoio totalmente esta ideia, alias há já algum tem... Por paulo guiMaraes - ovar Apoio totalmente esta ideia, alias há já algum tempo. Penso ser esta a melhor forma de acabar com o estado das coisas em Portugal. Acaba-se de vez com o proprio estado, com os que vivem á custa do estado, politicos e deputados que em 30 de democracia e liberdade, ainda não compreenderam o que estas palavras significam e ainda acaba-se com a incompetencia politica constante e consistente. Passamos a pagar menos impostos e passamos a ganhar o mesmo que se ganha em Espanha naturalmente. Acaba-se o complexo de sermos um pais pequeno. Apoio totalmente esta ideia, alias há já algum tem... Por paulo guiMaraes - ovar Apoio totalmente esta ideia, alias há já algum tempo. Penso ser esta a melhor forma de acabar com o estado das coisas em Portugal. Acaba-se de vez com o proprio estado, com os que vivem á custa do estado, politicos e deputados que em 30 de democracia e liberdade, ainda não compreenderam o que estas palavras significam e ainda acaba-se com a incompetencia politica constante e consistente. Passamos a pagar menos impostos e passamos a ganhar o mesmo que se ganha em Espanha naturalmente. Acaba-se o complexo de sermos um pais pequeno. Portugal passou séculos da sua existência a lutar ... Por joão carreira - Santarém Portugal passou séculos da sua existência a lutar pela sua independência e caracteristicas culturais únicas, tanto sangue foi derramado e agora, os espanhois voltam a pronunciar-se a favor da integração? Porque não os Portugueses? Que raio de sondagem é esta? São Jovens (50,8%): não pensam (o suficiente). O ideal seria um mundo sem fronteiras e paises não é? Já agora porque não se raciocina em torno deste "problema"/possibilidade? vantagens e inconvenientes historicas, sociais, culturais e economicas entre outros problemas a analisar...

  9. #9 Lusitanoi 18 de oct. 2006

    Se for uma união entre gays e lésbicas espanholas ... Por Manuel Fonseca - Almada Se for uma união entre gays e lésbicas espanholas com os/as de cá, tudo bem! Se for pra nos juntarmos à espanha, é pra formamos... Por lusitanos - olissipo Se for pra nos juntarmos à espanha, é pra formamos uma eta em versao lusitana. Talvez esteja na altura de contarmos aos nossos netos quem foi Viriato e até mesmo D. Afonso Henriques! Por amor do senhor! Que tristeza e ascorosidade de... Por Daniela - cascais Por amor do senhor! Que tristeza e ascorosidade de notícia! Seria o quê, uma tentativa de passar a batata quente da hilariedade da nossa política para Espanha? E depois ter de comer e calar? Não! Completamente não. Para aqueles que se "entusiasMaram" já com uma hip... Por Português não iludido - Porto Para aqueles que se "entusiasMaram" já com uma hipotética fusão dos 2 Países, digo-lhes que o que os Castelhanos - não espanhóis, isso não existe - querem é a anexação pura e simples de Portugal. Se pensam que iriam ser tratados como iguais - fala-se até de ordenados iguais, mais justiça social, melhores reformas, etc, como se Castela abrisse os cordões à bolsa para nos "dar isso tudo" pura e simplesmente - podem tirar o cavalinho da chuva: seriam Castelhanos de 3.ª e viva o velho. Um País com língua, cultura, hábitos diferentes de Castela, não se iria dar bem com uma anexação. E os iludidos mudariam rapidamente de ideias quando vissem que os expedientes que os vão safando cá, não resultariam com a "nova gerência". Em Espanha, Portugal continua a ser considerado um país ilegítimo sem o direito a existir: a capital, depois da hipotética fusão - anexação - seria Madrid, a língua o Castelhano, o Português seria tolerado em Portugal mas era melhor falar Castelhano se se quisesse arranjar emprego, e claro, o Rei não seria D. Duarte de Bragança, mas D. Juan Carlos de Bourbon. E quanto aos nossos problemas, somos nós que temos de os resolver. E sem estar sempre a gritar por Help! Se Espanha é tão bom, porque é que todos excepto Castela, querem saltar fora e ser independentes? Diz-se que "a galinha da vizinha é sempre melhor que a minha". Em todo o caso, tenho uma sugestão para os "anexionistas" convictos: se gostam tanto, vão viver para lá. Depois digam-me coisas. Cá para mim o ibérismo português, parece muito mais decorrente da vontade de algumas das elites portuguesas de conseguir um emprego bem pago na administração central em Madrid no que são auxiliados por alguns iludidos que pensam realmente que seriam melhor tratados em Espanha do que por cá, do que de qualquer intuito renovador para Portugal. Sou um jovem Engenheiro de 23 anos e sinto me insu... Por Beato - Lisboa Sou um jovem Engenheiro de 23 anos e sinto me insultado por 28% de supostos portugueses que desejam a união...os nossos "Avós" morreram para que este rectangulo a beira mar plantado fosse independente...tenham vergonha, sacrifiquem la umas ferias em ayamonte, e sejam homens uma vez na vida....que triste país aqui vai....trabalhem e tornem-se Portugueses!!! Nunca prestarei vassalagem a nenhum Bourbon ou la como se chamam.....gostava de ver sondagens de qts galegos querem ser portugeses....e n esqueço tambem Olivença....terra ocupada.. A ideia era excelente. Portugal ficava maior, com ... Por Miguel - Portugal A ideia era excelente. Portugal ficava maior, com fronteiras maiores com mais ilhas, com a maior frota pesqueira do Mundo entre tantas outras coisas mais! Já viram se Portugal fosse toda a península ibérica? A capital não era nem Lisboa nem Madrid mas sim o Porto! A língua oficial, o Portugês claro e ai os espanhois eram mesmo obrigados a entender-nos. Espanha deixava de ser Monarquia e passava tudo a Républica Portuguesa. Acho muito bem que a Espanha seja integrada em Portugal! O artigo traduz simplesmente uma velha aspi... Por Paulo Santos - Chaves O artigo traduz simplesmente uma velha aspiração de " nuestros hermanos " - desde os primórdios da nossa nacionalidade - espero sinceramente que tal União nunca se concretize - a história dá-nos sérias lições muito mal aprendidas por sinal - caso contrário será o golpe de misericórdia na nossa maltratada cultura, a lingua desaparecerá e, no periodo de aproximadamente duas gerações, toda a nossa preciosa cultura portuguesa se perderá, já aconteceu antes na Europa, toda a cultura da civilização Etrusca se perdeu após a " fusão " com ROMA, um processo deste tipo é sociológicamente irreversível. Meus caros,fiquem sabendo:No dia em que Portugal p... Por Antonio Pereira - norteamerica Meus caros,fiquem sabendo:No dia em que Portugal pertencer a Espanha,os espanhois fazem aos portugueses o mesmo o que Hitler fez aos Judeus.Nao tenham duvida porque a Extrema Direita em Espamja esta a ocupar pontos estrategicos nas forcas armadas espanholas para num futuro a medio prazo invadir Portugal e cometer as atrocidades que nem lhe estiver ao alcanse e com o devido apoio dos EUA.Nao tenham duvida. A frase acima não retrata bem a minha posição... e... Por Luis Ferreira - Coimbra A frase acima não retrata bem a minha posição... eu não suporto qualquer conflito armado. Mas não excluio a possibilidade de defesa dos estados a uma agressão externa ou interna. Uma possivel união federal com Espanha, na minha opinião, é algo impensável no presente. A Espanha actual ainda é resquício do imperialismo castelhano. São sinais a turbulência política que se vive na Galiza, Catalunha e País Basco. Os portugueses sempre tiveram o sentido de autonomismo. Está no nosso sangue. Aqui neste canto da Ibéria, desde sempre que os povos se oposeram a qualquer forma de intervencionismo externo. No caso de sermos integrados numa "federação", e coloco as aspas devido à minha dúvida na soberania que nos sobrasse, ao observarmos a perda de direitos e soberania sobre o nosso território, penso que haveria lugar a tensão. De caciques estamos nós fartos. Deus permita que Portugal passe a ser espanhol , p... Por Maria João - Alhandra Deus permita que Portugal passe a ser espanhol , porque os espanhois tem uma vida muito melhor do que a nossa, com os ordenados a fazerem face ao custo de vida. O ordenado minimo é superior ao nosso e tudo é mais fácil a nivel de educação e saúde. Nãos e admite que as pessoas vão ter os filhos a espanha tendo nós cá meios para se poder ter crianças. Uma vez que é assim então deveriamos ser espanhois em tudo, pois assim teriamos uma vida muito melhor em todos os aspectos

  10. #10 Amerginh 19 de oct. 2006

    Porque no tengo cáMara aquí... pero tengo ESE MAPA pinchado con chinchetas en la pared del despacho delante del ordenador Jejejejeje. Reintegrado y pan-galaico :P

  11. #11 alevin 19 de oct. 2006

    Lusitanoi. Si , como iniciador del foro, me quejaba de falta de aportaciones portuguesas tu, no es que hayas venido a llenar expectativas,las has desbordado(tipo inundaciones en Entroncamento).me ha parecido Maravillosa esa idea de meter todas las opiniones en el foro pues lo has hecho"vivo". aunque , reconoceras, hay que buscar muy bien para encontrar un comentario inteligente, pero eso pasa en todos los foros. No tenía noticias de que ese "sondagem" se haya publicado en España, no obstante me suena a campaña pro-algo, y no precisamente pro-relaciones hispano-lusitanas. En este foro has podído observar que nadíe ha hablado de absorción y mucho menos, y eso que ha habido comentarios"derechistas", de "disolución" , asi pues tranquilo, compañero, habrá que seguir yendo al extranjero para degustar ese bacalao "as natas". Reuve, enhorabuena por tu capacidad de sintesis y clarificación enlas respuestas(aunque lo de Viriato extremeño los zamoranos a lo mejor no te lo perdonan,jejeje..) Llug, desgraciadamente el "nacionalismo"tal y como lo entienden actualmente las personas que así se definen es precisamente"buscando las diferencias respecto a otros"...... Zé, que bien te lo montas rapaz, una colombiana, una brasileña...te vas a terminar pareciendo a mí,jajajaja. Gracias a todos, Paz y bien

  12. #12 Lusitanoi 19 de oct. 2006

    ora ai esta o que eu chamo uma ideia fenomenal..... bacalhau com natas, carne de porco a alentejana, morcelas de arroz com grelos, caldeirada a ericeira, favas com entrecosto, arroz de marisco, migas de espargos a alentejana, rojoes a moda do minho, tripas a moda do porto, e para acabar um cozido a portuguesa tudo muito bem regado com vinho alentejano, do douro (duero), ou vinho verde do minho, e porque nao um tinto da rioja que los tiene tan buenos. Pero se me invitan, me gustan extraordinariamente las paellas valencianas a mi e pienso a todos los portugueses, pueden ser de carne, de pescado o mistas tanto se me dá, con vino de la rioja marchan todas, ehehehhehe Y pueden vir a mafra, que hago una parrillada de carnes tipica de aqui vosotros traen lo vino y yo aun les doy unos licores caseros (lo de Maracujá todo el mundo le gusta o de canela muy alcoolico) y los dulces los dejen por nuestra cuenta que son mucho mas buenos que los vuestros (excepcion para la crema catalana) Vai, talvez assim consigamos por o iberismo em pratica. Vale?

  13. #13 adriano 27 de oct. 2006

    Un dicho ibérico: "Es un día Maravilloso. Verás cómo viene alguien y lo xode". Te suena, Ibericidad? (pronúnciese ibericidaz). Por otro lado no hay cosa que más me divierta que me llamen mediocre o incluso analfabeto, dado que suele ser bastante descriptivo del que lo hace. Por lo demás me parece estupendo que este supuesto"desencuentro histórico" acabe en un encuentro simbólico entre unos cuantos. Y al que no le guste que no mire. Nos vemos donde dice eyna.

  14. #14 Ibericidad 01 de nov. 2006

    Información eliminada por el Administrador eyna

  15. #15 Carlos Luna 01 de mayo de 2007

    España no tiene consciéncia do lo que pasa de desinformación en Olivença hace recelar muchos Portugueses. Y, sin embargo, hay notícias en Periódicos extrangeros sobre eso. Mirese uno: :SOBRE UM ASSUNTO PORTUGUÊS: ARTIGO EXTRAORDINÁRIO E ORIGINAL; DEVE-SE TENTAR LER ATÉ AO FIM: THE TELEGRAPH, 19 de Agosto de 2006 SOBRE UM ASSUNTO PORTUGUÊS: ARTIGO EXTRAORDINÁRIO E ORIGINAL; DEVE-SE TENTAR LER ATÉ AO FIM: THE TELEGRAPH, 19 de Agosto de 2006 SOBRE UM ASSUNTO PORTUGUÊS: ARTIGO EXTRAORDINÁRIO E ORIGINAL; DEVE-SE TENTAR LER ATÉ AO FIM: THE TELEGRAPH, 19 de Agosto de 2006 ARTIGO EXTRAORDINÁRIO E ORIGINAL; DEVE-SE TENTAR LER ATÉ AO FIM: THE TELEGRAPH, 19 de Agosto de 2006 ARTIGO EXTRAORDINÁRIO E ORIGINAL; DEVE-SE TENTAR LER ATÉ AO FIM: THE TELEGRAPH, 19 de Agosto de 2006 -------------------------------------------------------------------------------- Artigo original, de 19 de Agosto de 2006, com muitas novidades, pontos de vista dispersos de oliventinos e não oliventinos, observações curiosísssimas. ACONSELHO A LEITURA. Por isso fiz a Tradução... que coloco ANTES do original ! THE TELEGRAPH, 19 de Agosto de 2006 O MELHOR DOS DOIS MUNDOS O MELHOR DOS DOIS MUNDOS THE TELEGRAPH, 19 de Agosto de 2002 "Já se passaram duzentos anos desde que a cidade espanhola de Olivença deixou de fazer parte de Portugal, mas as velhasd influências resistem, diz Anthony Jefferies." "Por vezes eu penso no fenómeno de pensar em duas línguas", diz António Barraso Gonzales antes de tomar um gole do seu café. "Mas na maior parte das vezes nem sequer penso nisso. É apenas uma coisa natural. Num minuto tenho pensamentos em Espanhol no meu espírito, no minuto seguinte tenho-os em Português. Os sonhos são também interessantes. Posso sonhar numa língua e então, ao acordar, relembrá-los na outra." Antonio não está só, em Olivença decerto que não. Esta pode ser uma cidade espanhola, mas pertenceu em tempos a Portugal e as velhas influências resistem. Mais de 200 anos passaram desde que os espanhóis - com a ajuda do exército de Napoleão Bonaparte - fizeram recuar a fronteira entre os dois vizinhos ibéricos. Mas um deambular pelos sossegadas ruas pavimentadas de negro e branco desta formosa cidade na ponta ocidental da Extremadura traz Portugal à memória, não Espanha. Para começar, a maior parte dos mais velhos naturais da cidade falam Português quando vão às compras ou descansam nos bancos do largo "paseo" central. Depois, está presente a arquitectura: "ondulações" de pedra manuelinasem cada frontaria das Igrejas e mesmo sobre a entrada da CâMara Municipal: torres sólidas de forma quadrada destacando-se do castelo no coração da cidade, "marcando-a" como um bastião português; e, sobretudo, as telhas. Frentes de lojas, paredes, mesmo indicações de ruas - imcluindo aquelas que assinalam a "Plaza de España - estão cobertas com os azulejos azuis e brancos que são tão intrinsecamente portugueses. No centro de dia dos pensionistas à sombra do Castelo, Antonio e os seus companheiros estão a discordar àcerca da influência cultural predominante. Ele afirma que "não há quase nada espanhol em Olivença". Maruja Antunes Gomez, presidente da associação de pensionistas, pensa de forma diferente. "Os edifícios, as telhas e os pavimentos podem ser iguais aos de Portugal, mas as pessoas são espanholas e têm orgulho nisso", diz ela. "Os jovens nem sequer falam Português. A sua única ligação é com Espanha." Susana Rodrigues e Belén Naharro não têm tanta certeza assim. Susana tem 26 anos e trabalha na Biblioteca da cidade; Belen, de 22 anos, é estudante."Há um forte sentimento português em Olivença e isso é motivo de orgulho nosso, diz Susana. "A nossa cidade é única, mas não sentimos que isso nos ponha à margem do resto da Espanha." Ambas falam um pouco de Português."É ensinada nas escolas precisamente ao longo da raya (palavra espanhola para a estreita fronteira artificial entre os dois países), porque o governo em Lisboa disponibiliza fundos. Ele não quer que a sua língua morra. Mas não o falamos como os nossos avós", diz Belén. "E todos adoramos passear até Portugal. As cidades são semelhantes e o país é muito bonito. Mas tomamos a ESpanha como referência para cada influência." Legalmente, estas influências deviam ser ainda portuguesas. A Espanha assinou um Tratado em 1817 prometendo devolver Olivença, as suas aldeias circundantes e um pedaço de território junto do Rio Guadiana de que ele se apoderara 16 anos antes. Mas a devolução nunca aconteceu. A fronteira "redesenhada" está apenas a oito milhas a oeste de Olivença, e os locais atravessam-na sem hesitar um momento. Até há cinco anos atrás, quando uma ponde rodoviária foi aberta, isso era feito em barcos de passeio porque a Ponte medieval, a "Puente de Ayuda", a poucos metros da nova travessia, tinha sido destroçada durante uma das muitas guerras de fronteira, e nunca fora reparada. Antonio contou-me como, durante os anos em que Franco governava a Espanha e Salazar estava no poder em Portugal, o contrabando era difícil. Os habitantes locais atravessavam o rio pouco profundo vindos de Espanha carregados com têxteis ou produtos eléctricos, e voltavam com malas de linho, vegetais ou bacalhau salgado. "Esses foram tempos muito difíceis e o nosso comércio com Portugal era um risco para a própria vida. Havia patrulhas regulares no rio mas era fácil enganá-las. Era como um jogo." Procurando na parte velha da cidade, o que me impressiona mais é o quanto mais clara e mais limpa é Olivença quando comparada com a maioria das cidades espanholas. Depois, nota-se o barulho - ou a falta dele. Passeiem pelas ruas de qualquer cidade em Espanha fora da hora da sesta e o alto nível de decibéis pode deixá-los assustados. Em Olivença as pessoas falam baixinho... como de facto o fazem os portugueses. O passado deixou outros traços positivos. Nunca vi uma padaria espanhola com uma tão assombrosa variedade de artigos de pastelaria e maçapães como a que encontrei numa mesmo à saída da "Plaza de España". E os restaurantes abertos na cidade de 11 000 habitantes que é Olivença estão cheios de ofertas de pratos portugueses - nomeadamente bacalhau, que é o mais próximo a que um prato se pode transformar numa oferenda religiosa na Ibéria Ocidental. Então deparamos com as espantosas e "enroladas" colunas da capela da Madalena, o interior da Igreja da Madalena com azulejos do chão ao tecto e o excelente museu etnológico no interior do castelo, as suas dúzias de salas recriando a vida da cidade antes e depois de Olivença ter mudado de mãos. É fácil de compreender por que foram os espanhóis tão argutos ao alargarem as suas fronteiras até aqui. Esta é uma terra bela e fértil, cheia de colinas delicadas e com sobreiros ("carvalhos com cortiça", no original!) disseminados pelos campos de trigo. Não há a sensação de aspereza ou uma constante luta "contra" a terra e os elementos como há na Extremadura do Norte. A limpa e pequena localidade de Táliga, algumas milhas ao sul, por uma estrada "direita como um pau" que trai origens romanas no meio de uma paisagem de vales largos e paredes de pedra árida; poder-se-ia pensar estar na Grã-Bretanha, excepto pelo quente do Sol, os zumbidos e as águias que nos apercebemos por sobre as nossas cabeças, atravessando-se no caminho de poucos em poucos minutos. Aqui, aves de rapina e cegonhas são mais comuns do que pardais. Eu observo com temor como a mais majestosa de todas elas, a águia imperial espanhola, desenha círculos sobre mim enquanto eu sou empurrado pelo vento no alto do Castelo de Miraflores. O Castelo situa-se no alto sobre a vila ("aldeia") de Alconchel, a oeste de Táliga, e domina os campos por muitas milhas em redor. Os Mouros construíram-no, os portugueses conquistaram-no há 900 anos, mas então Alconchel passou para a coroa espanhola muito antes do resto do "Campo Mayor", no qual se situa Olivença. Os meus guias não oficiais são Juan o zelador e Francisco - "84 anos de idade e ainda funciona" - cuja caminada diária pelo lado da montanha acima coincide com a minha visita. Ele junta-se a mim no alto da torre, clamando a sua "ligação" à Espanha por sobre os ventos:"Nós não somos como as pessoas de Olivença. Nós somos verdadeiros espanhóis, não meia-raça." Ele aponta ao longe os vastos "ranchos" de gado - "dehesas" - muitos dos quais têm agora como proprietários conhecidos matadores, os novos senhores feudais. Estas "estâncias"(herdades), que muitas vezes cobrem milhares de acres, são percorridas por "toros bravos", os touros "lutadores" (de lide) que encontrarão o seu destino na arena, mas cuja vida até lá será feliz e livre de interferência humana. No caminho de regresso, descendo a colina, eu encontro um homem levando a sua ovelha a desentorpecer as pernas. Justiniano ("como o imperador romano") diz que ele passeia a sua ovelha todos os dias. "Eu sou a sua mãe. A mãe verdadeira rejeitou-a. Ela tem nove anos de idade (SIC) e todos os dias nós passeamos até ao castelo". E como se chama ela?"Dolly, como a vossa ovelha inglesa. Mas esta é natural. E ainda está viva". Justiniano não gosta do que está a suceder ao castelo. O governo provincial construiu "chalets" de madeira, vidro e ferro dentro das muralhas do castelo para dar guarida aos visitantes de fim de semana."Não há respeito pela História do Castelo. Nenhum esforço para que nada destoe", diz ele."Os Portugueses é que fazem bem. Eles restauram os seus castelos como eram e fazem novas moradias respeitando a arquitectura antiga." Atravessando a fronteira, na Maravilhosa cidade de Elvas, a velha ferida ainda sangra. "Nós não olhamos para Espanha por nenhum motivo concreto; somos bastante diferente dos espanhóis", diz Ana Valdes, dona de uma loja de brinquedos. "Nós somos mais sossegados, mais introsvertidos, mas aqui nós ficamos "preocupados" ( aborrecidos) por causa de Olivença e o "Campo Mayor" mesmo depois de 200 anos. "É a mesma situação de Gibraltar, mas não se consegue fazer ver isso aos espanhóis. Olivença nunca voltará a ser portuguesa, mas isso não nos impede de ficarmos ressentidos com os espanóis por causa da "nossa" cidade estar nas suas mãos." Luis Simões, um polícia, é mais fleumático. "Todos nós falamos espanhol aqui porque a fronteira fica a poucos minutos de distância, ainda que não seja realmente uma fronteira. Nós temos conhecimento da sua dificuldade para aprender Português, por isso nós adaptamo-nos. Sabemos que eles têm Olivença, por isso dizemos "o que podemos fazer?""Actualmente penso que estamos bastante invejosos do povo de Olivença. Eles pertencem à Espanha, que tem mais poder na Europa, no mundo. Mas as suas influências são portuguesas. Eles têm o melhor dos dois mundos." THE TELEGRAPH, 19-Agosto-2006 (Olivença) ---------------------------------------------------------- The best of both worlds Last Updated: 12:01am BST 19/08/2006 It's 200 years since the Spanish town of Olivenza was part of Portugal, but old influences endure, says Anthony Jefferies. 'Sometimes I think about thinking in two languages," Antonio Barroso Gonzales says before taking a sip of his coffee. "But most of the time I don't think about it at all. It's just the natural thing. One minute I have Spanish thoughts in my brain, the next Portuguese. Dreams are interesting, too. I can dream in one language then, when I wake up, remember it in the other." Antonio is not alone, certainly not in Olivenza. This may be a Spanish town, but it once belonged to Portugal and old influences endure. More than 200 years have passed since the Spanish - with help from Napoleon Bonaparte's army - rolled back the frontier between the two Iberian neighbours. But a stroll through the quiet black-and-white cobbled streets of this handsome town in the far western region of Extremadura brings Portugal to mind, not Spain. For a start, most of the older townsfolk speak Portuguese as they shop in the market or relax on the benches of the broad, central paseo. Then there's the architecture: Manueline stone swirls on every church front and even over the door to the town hall; solid, squared-off towers looming over the castle at the heart of the town, marking it out as a Portuguese bastion; and, above all, the tiles. Shop fronts, walls, even street signs - including those that indicate the Plaza de España - are covered with the blue-and-white ceramic that is so intrinsically Portuguese. advertisementAt the pensioners' day centre in the shadow of the castle, Antonio and his companions are in dispute over the prevailing cultural influence. He claims there's "almost nothing Spanish about Olivenza". Maruja Antunes Gomez, president of the pensioners' association, thinks differently. "The buildings, tiles and cobbles may be like Portugal, but the people are Spanish and proud of it," she says. "The young don't even speak Portuguese. Their only connection is with Spain." Susana Rodriguez and Belén Naharro aren't so sure. Susana is 26 and works at the town's library; Belén, 22, is a student. "There's a very Portuguese feel to Olivenza and it makes us proud," says Susana. "Our town is unique, but we don't feel it sets us apart from the rest of Spain." Both speak some Portuguese. "It's taught in schools right along la raya [the Spanish word for the unnaturally straight border between the two countries], because the government in Lisbon provides funds. It doesn't want its language to die out. But we don't speak it like our grandparents," says Belén. "And we all love to go across to Portugal. The towns are similar and the country is so beautiful. But we look to Spain for every influence." Legally, these influences should still be Portuguese. Spain signed a treaty in 1817 promising to return Olivenza, its outlying villages and a tranche of land near the Guadiana River that was seized 16 years before. But the handover never happened. The redrawn border is only eight miles west of Olivenza and the locals cross it without a moment's thought. Until five years ago, when a road bridge was opened, this was done in rowing boats because the medieval bridge, the Puente de Ayuda, a few yards from the new crossing, had been dismantled during one of the many border wars and never repaired. Antonio had told me how, during the years when Franco ruled in Spain and Salazar held power in Portugal, smuggling was rife. Locals would cross the shallow river from the Spanish side loaded up with clothes or electrical goods, and return with bags of linen, vegetables or salt cod. "These were very hard times and our trade with Portugal was a lifeline. There were regular patrols on the river but it was easy to evade them. It was like a game." Wandering around the old part of the town, what strikes me is how much cleaner and tidier Olivenza is compared with most Spanish towns. Then there is the noise - or lack of it. Walk through any town in Spain any time out of siesta hour and the decibel level can leave you wincing. In Olivenza people speak quietly - like the Portuguese, in fact. The past has left other positive traces. I have never seen a Spanish bakery with such a wide variety of pastries and marzipans as the one just off the Plaza de España. And the restaurants serving Olivenza's 11,000 population have plenty of Portuguese dishes on offer - notably cod, which is as close as food comes to being a religious offering in western Iberia. Then there are the stunning, twisted columns of La Magdalena chapel, the floor-to-ceiling tiled interior of the Casa de Misericordia church and the excellent ethnological museum inside the castle, its dozens of rooms recreating town life before and after Olivenza changed hands. It's easy to see why the Spanish were so keen to extend their boundaries here. This is a beautiful, lush land, full of gentle hills and with cork oaks dotted about the wheat fields. There is no sense of harshness or a constant struggle with the land and the elements as there is in northern Extremadura. The tidy, tiny town of Táliga, a few miles to the south, lies along a rod-straight road betraying Roman origins in the middle of a landscape of wide valleys and dry-stone walls; you might be in Britain but for the warmth of the sun, and the buzzards and eagles that wheel overhead, crossing your path every couple of minutes. Here, birds of prey and storks are more common than sparrows. I watch in awe as the most majestic of them all, the Spanish imperial eagle, circles above me while I lean into the wind at the top of the Castillo de Miraflores. The castle sits high above the village of Alconchel, west of Táliga, and commands the countryside for miles around. The Moors built it, the Portuguese conquered it 900 years ago, but then Alconchel passed to the Spanish crown long before the rest of the Campo Mayor, in which Olivenza sits. My unofficial guides are Juan the caretaker and Francisco - "84 years old and still fit" - whose daily hike up the mountainside coincides with my visit. He joins me at the top of the tower, shouting his allegiance to Spain above the wind: "We are not like the people of Olivenza. We are true Spaniards, not half-breeds." He points out the vast cattle ranches - dehesas - many of which are now owned by renowned matadors, the new feudal masters. These estates, which often cover thousands of acres, are turned over to toros bravos, the fighting bulls that will meet their fate in the bullring, but whose life until then will be happy and human-free. On the way back down the hill I meet a man taking his sheep for a stroll. Justiniano ("like the Roman emperor") says he walks the ewe every day. "I am her 'mother'. Her own mother rejected her. She's nine years old and every day we walk to the castle." And her name? "Dolly, like your English sheep. But this one is natural. And still alive." Justiniano doesn't like what's happening at the castle. The provincial government has built chalets of wood, glass and steel into the castle walls to provide a hostel for weekenders. "There's no sympathy with the castle's history. No attempt to blend in," he says. "The Portuguese have it right. They restore their castles as they were and make new buildings in the old style." Across the border, in the lovely old town of Elvas, the old sore still itches. "We don't look to Spain for anything; we are so different from the Spanish," says Ana Valdes, owner of a toyshop. "We are quieter, more inward-looking, but here we get upset over Olivenza and the Campo Mayor even 200 years later. "It's the same situation as Gibraltar, but you can't make the Spanish see that. Olivenza will never be Portuguese again, but it doesn't stop us resenting the Spanish because 'our' town is in their hands." Luis Simoes, a policeman, is more phlegmatic. "We all speak Spanish here because the border is a few minutes away, though it isn't really a border. We know they struggle to learn Portuguese, so we adapt. We know they have Olivenza, so we say 'what can you do?' "Actually I think we're quite envious of the people of Olivenza. They belong to Spain, which has more power in Europe, in the world. But their influences are Portuguese. They have the best of both worlds.

  16. Hay 15 comentarios.
    1

Si te registras como usuario, podrás añadir comentarios a este artículo.

Volver arriba